Blog do Professor

Ian Lima – Literarura

Respostas das questões.

p.79 “sobre texto 01”

01) A partir da observação, o eu poético (eu lírico) conclui que os bons sempre se dão mal, e para seu maior espanto, os maus se dão bem.

Atenção para as antíteses na construção desse raciocínio: bons x maus; graves tormentos x mar de contentamentos.

 

02) “O bem tão ordenado”.

O par bem/mal sugere uma antítese, mas no contexto temos “bem” empregado como substantivo, e “mal” como advérbio.

03) No antepenúltimo verso, o poeta emprega a conjunção “mas” introduzindo uma oração adversativa fundamental na construção do texto: o eu lírico assume o comportamento dos maus na esperança de “nadar em mar de contentamentos”, mas, ao contrário dos demais, é castigado, se dá mal. A conjunção assim introduz uma oração conclusiva, como se o poeta concluísse a defesa de uma tese após a argumentação: só para ele o mundo anda concertado.

04) O estar-no-mundo.

 

p.84 “Vestibulares de Norte a Sul”

01) a) Paronomásia

b) A proximidade sonora e a proximidade espacial ou gráfica das duas palavras no corpo do poema acentuam o jogo de ambiguidade que conduz toda a significação do texto. O jogo ocorre entre o verbo “sentir” , o verbo “sentar” e na tensa relação de sentidos que o autor instaura crítica e ironicamente ao longo do poema. O modo de sentir de “certos homens”, mantenedores da arrogância e do poder, está relacionado a seus modos de “sentar”, isto é, existir no mundo.

02) O verbo “sentar” é utilizado no poema sem uma preposição, o que lhe confere ambiguidade no sentido: os substantivos sem a preposição adquirirem um valor semântico de complemento adverbial de modo. Outra possibilidade é a interpretação dos substantivos sem preposição como objetos diretos do verbo “sentar”, o que faz com que o verbo seja, por seu turno, transitivo direto.

03) 01 + 02 + 04+ 08 + 64 = 79

04) d

05) No poema, não há celebração da relação harmoniosa entre homem e a natureza; assim, a alternativa “a” está incorreta. Além disso, há a manifestação do eu lírico “pena eu estar”, o que torna errada a alternativa “b”. A reflexão sobre passagem do tempo é o tema do poema de Leminski, no entanto essa não é uma preocupação a todo hai cai moderno. Portanto, a única alternativa correta é a letra “d”

 

 

Para complementar o que foi discutido em sala, seguem as respostas do livro didático de Literatura. Páginas 18, 19, 26,27,29.

 

 

p.18

p.19

p.26

p. 27

p. 29

Abaixo disponibilizo para fins de estudo da disciplina de Literatura Brasileira, o livro Vermelho Amargo, do autor Bartolomeu Campos de Queirós. Faremos a leitura em sala de aula.

Baixe o livro aqui. [Link correto e funcionando]

Obrigado.

Olá. Deixo sugestões de leitura para ilustrar melhor o que venha a ser subjetividade e pensamento individual. lembrando a vocês que essas leituras NÃO SÃO OBRIGATÓRIAS e NÃO FAZEM PARTE do conteúdo curricular da disciplina. São objetos de conhecimento pertinentes à nossa primeira discussão em sala de aula, mas que pode servir ao interessados em aprofundar mais a questão da subjetividade, pensamento individual, identidade e idiossincrasia humana.

Seguem as referências:

Evolucionismo Cultural (org. Celso de Castro)

https://sociofespsp.files.wordpress.com/2012/04/castro-c-evolucionismo-cultural.pdf

Transindividualidade, Individualidade, Pessoa e Psicologia (Afonso da Fonseca)

https://sites.google.com/site/eksistenciaescola/eksistencia/individualidade-transindividualidade-pessoa-e-psicologia

Subjetividade, individualidade, personalidade e identidade: concepções a partir da psicologia histórico-cultural ( Flávia Gonçalves da Silva )

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-69752009000100010

Antropologia, Cultura e indivíduo: Reflexões sobre identidade.

http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/Poiesis/article/view/5256